image_pdfImprimir notíciaimage_print

perguntas frequentes

– Eu uso para termodesinfectadora.

Faço teste de equipamento quinzenal nas máquinas que performam bem; a cada ano valido e verifico se passo para um mês; e diariamente o teste no ponto de uso por swab. Assim temos a informação da performance diária e quinzenal. Se por acaso alguma máquina der resultado rotineiro de falha reduzo o prazo do teste.

– Uso teste de limpeza em todos os ciclos de termodesinfecção, uso verify all clean. Faço teste proteína diário por amostragem e ATP em fibroscópio e pinças robóticas.

Lavadora qualificada com 2 tipos de detergente, este ano qualificado 2 devido à pandemia, ou seja, na falta de um tenho outro validado.

– Fatores do ciclo de Sinner se aplicam bem aqui.

Se você não mudou seu detergente, verifique o equipamento e os aspersores (principalmente, se internamente eles estão limpos).

A qualidade da água impacta, a temperatura da água impacta, o tempo de exposição impacta, o local de colocação do monitor impacta, o tipo de carga que você utilizou impacta, (exemplo: se você utilizou em carga respiratória ou carga de instrumental comum) e assim por diante.

A monitorização é um fator importante para te indicar “alguma falha” no processo como um todo, contudo, não te pontua com 100% de certeza aquilo que pode estar acontecendo.

O detergente pode não estar sendo efetivo por fator externo ou por ineficiência do próprio!

– Mudei o teste, pois outro que usava, notei que dava satisfatório apenas com água… Porém esse ano não fizemos a qualificação ainda.

– Não temos termodesinfectora, ultimamente estamos utilizando um desinfetante de nível intermediário. Também não temos nenhum protocolo institucional quanto ao coronavirus.

– A desinfecção de inalatórios requer desinfetante para produtos semi-critícos. Consulte o rótulo do fabricante e as instruções de uso e avalie se o produto é compatível com o material de inalatório que o serviço dispõe.

Antes da pandemia havíamos perdido algumas peças dessas e solicitarmos treinamento do fabricante.

A válvula tem uma peça que possui microfilamento interno muito difícil de visualizar, então não há indicação de fricção da peça. Realizamos a desmontagem.

Realizamos a imersão no detergente enzimático.

Depois realizamos várias imersões em água quente para realizar o enxágue.

Depois colocamos no desinfetante de alto nível, usamos cidex opa.

Depois colocamos para secar em ar ambiente, é contra indicado a secagem com o auxílio da pistola de ar comprimido, para não romper o microfilamento.

E ainda após a secagem passamos para área de preparo e submetemos ao processo de esterilização no vapor 134°C.

Após o treinamento não tivemos mais perda da peça

Não há indicação de ir na termodesinfectadora pela pressão exercida da água interna. Para não romper o microfilamento.

O teste de limpeza Tosi não passa, técnico tentou de tudo, não sei mais o que fazer.

O teste TOSI é de fato o mais desafiador. A mancha branca indica dificuldade na remoção da fibrina. Consulte a escala de falhas do teste e verifique se é corretamente colocado.

Essa informação deve constar no manual do seu equipamento. Consulte também a RDC n°15 de 2012, seção equipamentos de limpeza e esterilização.

Equipamento engenharia clínica e insumos gerais setor de compras e financeiro

Almoxarifado Central e eu tenho acesso ao sistema de cadastro.

Sterrad da Jonhson 100 litros

A dificuldade está grande para adquirir o biológico da Jhonson.

 

 

 

 

 

 

Trabalho com Baumer

Tive esse problema uma vez.

Ao tentar encontrar a falha descobrimos que estava vencida a embalagem

No verso tem data de validade e lote. Saiu do almoxarifado vencido.

Fizemos um trabalho com os setores do almoxarifado para que fosse realizado uma conferência fiel das datas de validade, os responsáveis alegaram que não tinha informação de que papel vencia, até mesmo porque eles não sabem nem para que servem os insumos de CME.

Também o registro da Anvisa.

Lembrete: As embalagens de produtos para saúde foram desregulamentadas pela Anvisa, ou seja, não há mais a exigência do registro do produto.

Os registros das embalagens estão cancelados. Não tem mais registro na Anvisa.

Este problema acaba ficando mais difícil de ser reportado ou analisado não havendo registro

Realmente pode ser o problema de vencimento ou também problema no lote.

Ou na qualidade da tinta indicadora.

Ou também um problema de estocagem. O local de guarda se possui uma climatização adequada e favorável para não mudança de parâmetros. Já tive problemas passados, mas foi de lote.

Ou a temperatura. Tem uns que reagem a T 134°C, outros reagem na faixa de na 121°C e 134°C.

Se você já utilizou esse tipo de embalagem e não lhe deu problema, sugiro fazer um documento a empresa que forneceu, inclusive coloque as embalagens da forma que você demonstrou. Ou entre em contato com a Enfermeira que dá o suporte técnico. Eles têm a obrigação de resolver o problema.

Pode ter sido também erro operacional na montagem da carga, não podemos esquecer disso. Se os materiais não foram dispostos corretamente dificulta a circulação do vapor.

A ABNT NBRISO 11140, é uma série de normas que irá estabelecer os requisitos para os diferentes tipos de indicador químico frente ao específico processos de esterilização

Atualmente são 6 tipos de indicadores químicos. Não há relação de hierarquia entre essas 6 categorias, mas sim, indicações de uso diferentes.

Muitas pessoas consideram a mudança de cor como resposta.

Mas o ideal é sempre avaliar caso a caso, pois podemos ter fatores ambientais interferindo no processo, sempre correto avaliar.

A cor da virada após processo tem que estar de acordo com a cor que o fabricante indicou.

Legislação

categorias

redes sociais

Ana Miranda

Especialista em Cardiologia pelo Instituto Dante Pazanese; Pós-Graduada em Enfermagem Médico Cirúrgica pela Unifesp; Autora do Guia “Limpeza sobre Materiais Cirúrgicos Complexos” e do livro “Teoria e Prática na Prevenção da Infecção do Sítio Cirúrgico”; Presidente Executiva do Portal NasceCME e da Revista NasceCME Magazine.