8 de março – Dia Internacional da Mulher

image_pdfImprimir notíciaimage_print
mulher-terra
8 de março – Dia Internacional da Mulher

O Dia Internacional da Mulher é todo dia! Mas você sabe o por que comemoramos a data 8 de março e o que ela representa historicamente?

No contexto das lutas femininas por melhores condições de vida, igualdades de direitos trabalhistas e de direito ao voto, em 8 de março de 1917, a greve das operárias da indústria têxtil em Nova Iorque contra a fome, contra o czar Nicolau II e contra a participação do País na Primeira Guerra Mundial, precipitou os acontecimentos que resultaram na Revolução de Fevereiro. Leon Trotsky assim registrou o evento: “Em 23 de fevereiro (8 de março no calendário gregoriano) estavam planejadas ações revolucionárias. Pela manhã, a despeito das diretivas, as operárias têxteis deixaram o trabalho de várias fábricas e enviaram delegadas para solicitarem sustentação da greve. Todas saíram às ruas e a greve foi de massas. Mas não imaginávamos que este ‘dia das mulheres’ viria a inaugurar a revolução”. Cerca de 146 trabalhadores, em sua grande maioria mulheres costureiras, morreram queimados no incêndio da fábrica de tecidos que foi atribuído às más condições de segurança do edifício, sendo considerado o pior incêndio da história de Nova Iorque até o 11 de setembro de 2001.

 

Convidamos o escritor Saulo Adami para homenagear as mulheres neste dia tão importante, revelando sua visão masculina do feminino. Saulo nos presenteou com uma crônica que foi premiada e, 2 belos poemas.

Mulheres, esperamos que gostem e que celebrem essa data todos os dias!!

Um abraço,

Enf. Ana Miranda

“Crônica de uma noite de insônia”

Duas noites passadas de um jeito novo. O jeito de estar solteiro no meio do casamento. Uma sensação estranha e, ao mesmo tempo, excitante. Um refúgio entre o passado e o presente, e os olhos procurando o futuro. Eu me transformei numa ilha. A ilha do ser. Os filmes me sugerem tantas formas de amor, e eu preso ao meu celibato. É, eu jurei diante do altar uma castidade. E ela eu não trairei. A minha mulher eu não trairei. Tudo isso é muito engraçado, se visto por outro ângulo. Saciar um desejo é trair um sentimento tão profundo, nobre e rico quanto o amor? Saciar um desejo é crime idolatrado por tantos! Eu creio que não seria um criminoso por encontrar uma outra mulher, num outro lugar, numa noite dessas. Eu creio! Mas não faço porque aprendi a amar de um jeito que poucos sabem. Aprendi que se ama uma mulher uma vez na vida. Aprendi que amar uma mulher é amar a si próprio, é fazer amor consigo mesmo, numa comunhão esquisita – mas honesta! Afinal, nós juramos amor eterno. E enquanto este amor durar, eu amarei uma única mulher! Carne é carne. Desejo é desejo, passa. Amor, não. Amor é um só; não é momento. É unha e carne, pulmão e ar, perfume e corpo. Amor não se acha na rua. Nem se faz por aí… Amor se faz em casa, não se compra – se doa! Tenho medo de encontrar minha casa vazia… Sinto remorsos quando entro nela e não encontro o rosto da minha mulher. Ficaram as roupas, o perfume e a cama. A cama eu não visito há dias. Parece que ela gira, se eu chego perto. A cama é uma coisa mística que criaram para intrigar homens casados! Minha cabeça, confusa de novo, vê você naquela cama! Vejo como você é linda e o quanto pode ainda me fazer sentir homem. Macho é uma palavra forte demais. Um comportamento que enfiaram na cabeça da gente, como parafusos na parede: para não sair nunca mais! Eu não sou macho. Sou homem. O homem que queria ser, desde criança. Um homem que, atrás de uma máquina de escrever, reproduz palavras e sentimentos que ele capta no seu dia a dia, na convivência com outros seres humanos como ele. Gente simples, gente fresca, gente que é gente… Gente que pensa ser gente. É tudo tão engraçado quando se sabe que as pessoas não são o que representam ser. Quero viver minha vida do jeito que eu escolhi. E isso envolve certas renúncias. Meus desejos, por exemplo. Meus desejos eu mato através deste teclado. Sou tudo o que imagino, faço tudo o que tenho vontade! Meus personagens são meus cúmplices. Eles costumam me denunciar, mas não têm provas! Eles não vivem sem mim. Eu também não vivo sem eles. Por isso, mato poucos deles. Por isso, pedem para que eu não os sacrifique.

Saulo Adami

moon
Foto: Divulgação | Internet

Poema “Enluarados”

Enluarados

Estrelas polvilharam
o oceano enluarado,

suas ondas
falaram por nós.

Vi nos seus olhos
o grande mar
anoitecido de luz.

A brisa enluarada
fez falar a voz doce
do invisível.

Instantes orvalharam
o que poderemos ser
um para o outro…

Eternos!

Saulo Adami

hands
Foto: Divulgação | Internet

Poema “Além do hoje”

Além do hoje

O poema que te ofereço
não foi forjado no medo,

nem inspirado por dúvidas,
não vai envelhecer nas gavetas!

O poema que te ofereço
fala de esperanças
e de futuro,
de inspiração
e de desejos…

Fala por si só
e por nós dois!

Sou eu nos versos tão nossos,
inspirados no que sentimos
e sentido pelo que ainda viveremos
além do hoje que somos!

Saulo Adami

Imprima sua noticia!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Noticias Relacionadas

categorias

redes sociais